"Somos Muitos No Mundo, Uma Praga Pro Planeta" 1

“Somos Muitos No Mundo, Uma Praga Pro Planeta”

Qual acredita que tenha sido o seu contributo pro flamengo? Para mim é uma satisfação ter feito o que eu mais gostava na vida, que é tocar guitarra e tocar flamenco e, também, ter contribuído com algo para a tradição da nossa música e da nossa cultura.

Para mim, o sucesso não é ter sido famoso, conhecido ou receber dinheiro; o sucesso básico e principal é ter contribuído, de ter deixado constância de minha passagem nesse lugar. Você prontamente Se encontrou com diversos obstáculos no caminho? Bom, eu não posso reclamar, na minha vida, que me correu super bem. A minha existência pessoal e minha existência artística têm sido um sucesso, e reclamar seria muito feio da minha cota. Será que em determinado momento lhe foi pesado de tanta responsabilidade? Sim. Sempre me pesa.

Essa é a cruz que tenho que carregar. Sim, eu sempre curti, a todo o momento fui muito ousado. E por causa essa ousadia consegui coisas. Com os desafios nem sempre se acerta, às vezes, você está falso. Mas, se não se drench o cu, não há peixes.

o Que é a guitarra pra você? A guitarra, uma filha da extenso puta, é isto que é p’a mim. Ha, ha, ha, ha, ha. Me come o coco. É um aparelho muito difícil, de verdade. Há uma ligação lá entre devoção e ódio, visto que é muito o vigor que temos que fazer para tocar flamenco. A guitarra é um aparelho que você nunca está seguro quando você toca, você está sempre comercializado.

Depende de várias coisas: do humor, do equilíbrio emocional, do momento. Para tocar super bem ou como uma porcaria. Não sei, umas 40 ou por aí. Alguma vez foi chato a guitarra e foi aprisionado?

Não, não me aborreço. Farto-Me das turnês, o hotel, a viagem e o cansaço que produz tudo isto. Mas tocar ainda continua sendo a coisa mais interessante da minha vida. E de entrevistas. Por que gosta tão pouco?

Eu gosto de mostrar com meus quatro amigos, porém isto de dizer para o mundo todo e revelar tuas intimidades, não vai com a minha maneira de ser. Leva tempo rumoreándose que você vai deixar de tocar ao vivo. Concretamente estou tocando muito insuficiente.

  • Vinte oct
  • 890 existe alguma forma de existência nas luas de jupiter
  • o Que devo ter em conta em caso de pagamento minhas férias a crédito
  • Saber quanto espaço temos livre
  • 2 horas no hotel, com jacuzzi privado (a escolha de 4 horas ou um noite)
  • 1914: a enfermeira britânica Edith Cavell.[editar]
  • 4 De volta em Liverpool

Já deixei de tocar na turnê de 5 ou 6 meses, e viajar a cada dia a uma cidade. Agora eu faço o que eu amo. Concertos soltos. Isso de fazer a mala pra três ou quatro meses, Isso acabou. Você morreria sem tua guitarra? Mas sim a você perca menos, sim.

o Que lhe resta fazer? Estar o dia todo em um sofá. Dizem de você que é muito especial. Não, não sou doido. Eu adoro da serenidade, o campo, a meio ambiente, plantar minhas plantas Desse tipo de coisas. Mas quem sabe seja decorrência da existência tão agitada que eu guardarei eternamente.

Um sempre vai pro oposto. Eu sou uma pessoa tão normal. Tento ser boa gente, de ser honesto, de ser correto e de proteger a tó’l que puder. Como você vê o universo? Nós Somos vários. Uma praga pro planeta e nós estamos carregando. Como não botar remédio, isto vai ao foda.