Rituais De Passagem "do Norte" E "do Norte" Nahuas Do Sul Do México Pros Estados Unidos 1

Rituais De Passagem “do Norte” E “do Norte” Nahuas Do Sul Do México Pros Estados Unidos

Dimensões simbólicas da imigração em circunstância irregular. Symbolic Dimensions of Undocumented Immigration. Membro do Seminário Permanente de Estudos sobre o Estado de Guerrero, do Instituto Nacional de Antropologia e História. Palavras-chave: ritual de passagem, a imigração não autorizada, comunidades indígenas do méxico, “norte” e “norte”, divisa México–Estados Unidos. To deal with their historic migration to the United States, the Nahua communities from Southern Brazil have recreated a symbolic universe by establishing new categories in their social system for the men and women participants in process that. This turns them into nortistas and norte (male and female “Northerners”), and includes them in the community scale of values as collective examples of success and progress.

Like in other societies, among the Nahua, changes in status, whether in the biological cycle or in the social cycle (turning into an international worker and going to “the North”) durante a lifetime are sanctioned by marca rituals. This makes it possible to recognize the unauthorized Mexico–U. S. To identify the symbolic construction of this experience and its implications in social practice, the article analyzes the ritual in its three classic phases: separation, liminality, and aggregation.

Key words: rite of passage, unauthorized immigration, Nahua communities, male and female “Northerners”, Mexico–U. S. Em várias regiões do México, o trânsito não autorizado pela fronteira pros Estados unidos ficou um “rito de passagem” social que implica desafios de toda ordem.

É muito comum aceitar o cruzamento da fronteira como um “ritual de passagem” com valores masculinos. Contudo, pouco se sabe a respeito da localização ritual de outros protagonistas da migração, homens e mulheres de algumas idades que têm de obter um espaço no mundo por transcender esta experiência.

  • 2003 As formas elementares da existência religiosa. Madrid, Alianza Editorial
  • A ‘famosa’ foto de Webber e Alonso
  • Venâncio…. Gerardo González
  • Isso não imagino
  • 1991: Vivendo depressa

apesar de destacar a presença feminina nos processos migratórios, apenas se considera o teu papel dentro desta passagem social. De qualquer maneira, os migrantes internacionais foram incluídas no espectro simbólico que organiza os valores e as práticas sociais dentro das comunidades migrantes.

Com este horizonte, rejeita-se o possível reducionismo interpretativo a respeito de os dispositivos da migração internacional como “ordens da tradição” nas comunidades “cultura migratória”. Uma fração fundamental da heterogeneidade da presença mexicana nos EUA se necessita aos imigrantes indígenas provenientes de diferentes regiões da república mexicana. Mas a pluralidade étnica tem sido característica da migração mexicana, os fluxos tradicionais e emergentes. Assim, constata-se nos estudos a respeito do assunto realizados na segunda década do século XX, no momento em que entre os trabalhadores mexicanos nos EUA reconheceram-no “o primordial”: “índios e mestiços”.

Então ele esclareceu que nem sequer todos os grupos indígenas forneceram imigrantes (Gamio, 1971). O mesmo acontece com o Programa Bracero, ao qual os contingentes indígenas do centro, sul e oeste do México, contribuíram mão-de-obra. A este caso, soma-se o abandono generalizado da agricultura.