Edição De Domingo, 16 Agosto De 1964, Página Quatrorze 1

Edição De Domingo, 16 Agosto De 1964, Página Quatrorze

a Defesa Nacional, e o ministro da Defesa, senhor Ahardan —presidente dtl grupo do movimento popular—, iria exercer um cargo. Em resumo: Hassan II iniciou uma aproximação com a oposição e, acima de tudo, o clube acabou salvando (a “União Nacional das Forças Populares”). Diz-Se mesmo que o senhor Abderrahim Buabid, chefe de o clube acabou salvando o ex-ministro da Economia e ex-vice – presidente do Conselho, foi sondado pra fazer porção de um próximo Governo.

Até de imediato se recusou, entretanto é possível que, mais tarde, aceite, e pois o Rei pode pensar seriamente em estabelecer este vasto Gabinete de combinação nacional que projeta desde há em tão alto grau tempo, -r – José LUA. Os jornais dão a nova com manchetes em destaque. O que entra na Sura redentor sabe o que lhe espera. Será possível que aconteçam coisas pela América do norte de 1964?

  1. Atualização de transferências e jogadores retirados
  2. 19:30h. Para 40%, o Brasil ou a Argentina
  3. Cibersegurança – Blockchain
  4. um Coronel Richard Vanek

IMPRESSÃO ENGANOSA Atlanta, capital da Geórgia e no coração do Sul— é uma cidade muito encantadora. Os edifícios brancos, de corte clássico, contrastam com o verde volumoso de uma paisagem repleta de árvores. A começar por Margaret Mitchell, o universo conheceu a Atlanta, e em “Ele” e o vento levou” —romance traduzido em quase todas as línguas—nos descreve bem a excepcional lindeza dessa terra.

Beleza im-par que se manteve mesmo depois que o vento da señoraMitchell levava muitas coisas. O viajante que chega a Atlanta nodebe despencar pela armadilha. As aparien ciás das cidades mascarados enciertas partes —tanto em Conti nentes novos como os velhos— e.infradesarrollo social da maio ria que nelas habitam.

Um sociólogo garante os incríveis hotéis são a todo o momento as nacionesproletarias. PRIMEIRAS PRECISÕES Meu primeiro interlocutor em Atlanta é o senador Leroy R. Johnson. E diálogo com ele me esclarece perguntas relevantes. O senhor Johnson é o pri mero —e único— os negros que conseguiram entrar no Senado, de um dos Estados do Sul nos últimos 100 anos.

Outro líder negro, o professo C. A. Bacote, me recebe no “Atlanta University”. Também foi mulher valiosa de tua ajuda pra introducirm no complexo labirinto do Sul. Voj precisando ideias: —Na Geórgia, mais do que o sistema de um jogo (o democrata), tem funcionado, desde a Reconstrução, o Governo de uma oligarquia.—Um novo Sul terá uma respeitável ancia decisiva pela futura políticaimericana. •A reação dos brancos (“whi-se backiash”) vai pesar muito em novembro.•Pode ser estimado um sucesso parcial para a campanha desencadeada em para o deía inscrição de pessoas de cor :n as listas eleitorais.

O senador Leroy R. Johnson e elprofesor C. A. Bacote me abriram estas e outras janelas que estão proporcionándome boa claridade ao longo da minha permanência no Sul. Elcomplicado caminhar que me anuncia – rum em Chicago começou consuerte.

um JANTAR NO CLUBE O jantar do primeiro dia em Atlanta foi prevista no Piedmont Driving Club. Meus anfitriões formanun casamento misto —homem de negócios e mulher intelectual— quepasan temporadas na Europa. O ambiente é de antes de algo. Não imagino side antes da Revolução, antes de a luta civil, ou de antes da luta mundial. O marido —homem de negócios—,somente se interessa pela discussão até que, inocentemente, hagouna pergunta: